Mariana

Mariana
AVALIE O POST!

praça-gomes-freire-jardim-mariana
A Praça Gomes Freire, o Jardim, é dos destinos turísticos mais visitados de Mariana

Mariana é a primeira mineirinha. Sim, a filha primogênita de Minas. Uma monumental e singela beleza que nasceu pelos idos de 1976. Mais precisamente com as bênçãos do dia de Nossa Senhora do Carmo. Ah! Se você não é católico, não se acanhe: é dezesseis de Julho. Mariana respira religiosidade, então não ache que é mera coincidência.

Ah! É tanta história!

Todo mundo sabe da importância histórica de Mariana. Seus mares e morros estão cravados no coração – para dizer a verdade, bem no centro mesmo – de Minas. Situada em meio ao quadrilátero ferrífero, é de uma importância geográfica e cultural sem par.

Desbravada por bandeirantes

chafariz no jardim em mariana
O Jardim é um local público muito frequentado na cidade

Essa posição vantajosa no mapa de Minas e a abundância do ouro fomentaram o desejo das bandeiras. Tanto que já foi a cidade mais povoada do estado. Hoje, é um município pequeno. Mas Mariana é Minas Gerais, então ela é o mundo, não? Pelo menos é assim que pensa o mineiro Milton.

Mariana é uma jovem senhora, que hoje abraça mais de 58 mil pessoas. É mineiro demais para um lugar só, minha gente! Por isso que lá é grande. É muito coração grandão (dá até um aperto de falar) para um lugar só.

Patrimônio Nacional

Igreja de São Francisco
Faz parte do entorno histórico, que é tombado pelo IPHAN

Você sabe o que é o IPHAN? Se não sabe, não se acanhe. É bom que vai ficar sabendo agora. É o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Bem… Acho que essa explicação não ajuda muito…

Deixe-me ver… Ah! São pessoas que cuidam daquilo que é mais importante para a história de nosso país. E esse importantíssimo instituto tombou nossa Mariana, hoje patrimônio nacional.

Motivos não faltam. Você viu lá em cima que Mariana é a primeira filha de Minas. Então ela teve muitas das primeiras coisas. Nela foi criado o primeiro colégio da Província de Minas Gerais. Antes um internato para meninas. Sabe o mais interessante? Ele ainda funciona! É só dar uma passadinha na frente do Colégio Providência que dá para ver a molecada indo para aula. Hoje, também para meninos.

E não foi só isso não, sabe? A primeira capital mineira teve também a primeira Câmara Municipal do Estado e nela (sim, na própria Casa do Legislativo!) a primeira cadeia.

Mariana foi a primeira em muitas coisas, sendo a cidade primária fincada no coração mineiro. Ah! Minerice boa, minha gente!

Mas não para por aí…

Quem disse que Mariana não tem mar?

igreja de são pedro
A subida para esta igreja te leva para perto do céu, que é tão azul quanto o mar

Quem sabe, sabe. E sabe que Minas, e Mariana também, tem mar demais da conta. É só olhar para o céu azulzinho sem poluição e imergir no horizonte. Pois quem sabe das coisas, atina que Minas tem o relevo mais complexo do país. São mares, e morros, e rios.

Sim, riachos que são uma beleza!

Perto do centro da cidade tem a Duchinha, que de tão rápido que se chega, nem se percebe o passeio. Vai-se conversando em prosa boa. É logo ali… Para os mais exigentes, tem a delícia da corredeira da Serrinha, que se encontra com umas pernadas a mais.

Mas para quem gosta de aguaceiro mesmo, tem os distritos de Furquim, de Passagem de Mariana (com uma mina incrível no centro ) e até um com nome de cascata: Cachoeiro do Brumado. Aí são riachos e quedas d’água são tantos que não se acabam mais.

A Procissão dos Mortos

Igreja do Carmo em Mariana
A Igreja do Carmo foi construída na Praça Minas Gerais, que é caminho da Procissão das Almas

Que medo!

Sim, toda Sexta-Feira Santa, as almas encarnam e saem com bumbos e matracas clamando pelos vivos em Mariana.

Tudo bem, não é bem assim. Mas é como se fosse.

Os vivos se vestem como mortos à meia-noite da Sexta-Feira Maior, madrugada de resignação e respeito. A tradição cultural tem um nome convidativo (?): A Procissão das Almas, lenda marianense conhecida nacionalmente.

Dizem que quem desfila a primeira vez tem que participar outras sete vezes seguidas. Caso contrário desfila como alma de verdade mesmo.

É tanta coisa, minha gente!

São belas cachoeiras, igrejas, museus, seminários, casarões históricos, belas artes, muitas festas religiosas, universitárias e carnavalescas. Tudo muito chique, sabe? Daquelas que gente importante considera de “importância nacional”. E se gente importante disse que importante, então é importante, uai!

São histórias famosas! Mariana não fica relegada ao segundo plano na Inconfidência Mineira. O inconfidente e marianense Cláudio Manoel da Costa, advogado, minerador e poeta que o diga! Ah! Não se pode se esquecer do outro Manoel da Costa, o mestre Ataíde, militar e celebrado pintor e decorador brasileiro, o gênio do Rococó que encantou o mundo com seu estilo sofisticado.

Mariana é sua gente

A história de Mariana é também composta pelo dia-a-dia e pela singeleza de seus moradores. É gente muito boa, que faz parte da construção desta cidade e de seus mistérios.

Tem até a síndrome do pão de queijo, sabia? Dizem que quem pega, não consegue mais sair de Minas, nem de Mariana.

Cuidado! Dizem que se pega fácil.

Informação e mineiridade

É isso que nosso site pretende. Aqui, na Outros Relatos você encontra informação histórica, cultural e turística de qualidade. Mas Mariana não é apenas isso. Mariana é sua gente de prosa boa. E é esse povo sofrido e feliz que vai aparecer aqui também. Afinal, cada vida tem uma história. E Mariana, com toda sua longevidade, abraça cada uma dessas narrativas, moldadas pelo dia-a-dia. Pelo prazer da prosa boa, do café, da cachaça e do queijo, que é bom demais.

Sim, é esse mistério histórico no qual esse site se foca. Aqui se encontram aquelas histórias consideradas importantes, bem como aquelas que nunca antes foram contadas, tão relevantes quanto. Afinal, cada morador também faz parte de cada átomo, cada parede, cada pedra sabão, cada rua, cada ladeira e cada igreja que compõe a pintura magistral que é Mariana.

Venha ser parte dessa composição!