causos

Histórias de assombração: a casa mal assombrada da Rua Direita

Vamos viajar?
Receba as melhores dicas sobre cidades históricas!
Quero viajar
Histórias de assombração: a casa mal assombrada da Rua Direita
AVALIE O POST!

A casa mal assombrada da Rua Direita é um fato realmente sinistro

Foto: Gabriela Pinheiro

Ainda irei relatar aqui muitas histórias de assombração que aconteceram em Mariana e Ouro Preto, como esta da casa mal assombrada da Rua Direita.

Principalmente porque o que não falta é assunto sobre essa pauta.

Como a última história que relatei ocorreu em Ouro Preto com o meu pai e agora quero contar para vocês o que aconteceu em Mariana com a minha avó, na década de 50, e que tem muuuitos casos assombrosos na conta.

Minha avó nasceu em Furquim, distrito de Mariana. E na adolescência se mudou definitivamente para a nossa cidade com sua família.

Foram todos morar na Rua Direita de Mariana, em um casarão histórico que fica bem na esquina da rua –  uma casa bem grande mesmo.

Mas, minha família, apesar de gostar muito da casa, não se sentia bem em ficar no sótão. Lá iam apenas para arrumar e na parte da manhã.

E a sensação ruim provocada pelo sótão se confirmou na prática

Um dia, minha avó teve uma briga bem feia com a minha bisavó, sua mãe, tarde da noite.

As suas discutiram muito e minha avó, de pirraça, disse que ia ficar sozinha no sótão para não ficar perto de sua mãe.

Então, minha avó subiu até o sótão e ficou na janela olhando a rua.

E quando deu exatamente meia-noite em ponto (segundo a minha avó, em ponto MESMO) ela escutou um estrondo. 

A mesa do sótão, que era feita de madeira forte e antiga, simplesmente tinha caído com os pés totalmente espalhados, cada um para um lado.

O sinistro momento em que a casa mal assombrada da Rua Direita se revela

Minha avó correu para tentar levantar a mesa, mas quando se aproximou, a mesma levantou totalmente sozinha!

Então, minha avó correu para o seu quarto e deitou na cama se cobrindo com o lençol dos pés à cabeça. Ao mesmo tempo rezava várias orações para espantar o espírito maligno.

Mas exatamente por uma hora, ela sentiu uma mão tentando a todo o momento puxar o lençol.

Foi aí que, ao marcar exatamente uma hora da manhã, um galo começou a cantar e o espírito simplesmente desapareceu no exato momento do seu canto!

Minha avó permaneceu com a cabeça coberta até seis horas da manhã. Não conseguiu dormir e não saiu de seu quarto.

Não teve nem coragem para levantar.

Ao amanhecer totalmente, ela procurou sua vizinha e amiga que era muito religiosa e contou o ocorrido.

A vizinha lhe disse que a casa tinha fama de mal assombrada há muito tempo. Por isso, quase ninguém conseguia permanecer por lá.

Além disto, o fato da minha avó brigar com sua mãe e manter o seu orgulho até o fim contribuiu para o espírito maligno fosse atormentá-la. Se tivesse buscado ajuda de sua mãe, talvez os tormentos tivessem amenizado.

Logo, a vizinha pediu para a minha avó rezar muito e procurar minha bisavó para fazerem as pazes.

E, de imediato, minha avó, orgulhosa e muito jovem, não procurou sua mãe.

Passando os dias, porém, elas se reconciliaram. E mesmo não dando o braço a torcer, minha avó começou a evitar brigas com sua mãe. Além disso, nunca mais foi ao sótão.

Afinal, orgulho tem limite e é sempre bom respeitar os seus pais e o desconhecido.

E você, briga muito com sua mãe?

Histórias de Assombração
Não fazemos Spam
Receba tudo no seu e-mail!
INSCREVA-SE!

    The author: Gabriela Pinheiro

    Professora que se encantou pelo caminho das palavras e das imagens e usa os seus dons para cultivar o turismo em nossas maravilhosas cidades históricas.
    Histórias de Assombração
    Não fazemos Spam
    Receba tudo no seu e-mail!
    INSCREVA-SE!
    Vamos viajar?
    Receba as melhores dicas sobre cidades históricas!
    Quero viajar